Política Destaques

Maior Impressora 3D do Mundo Constrói Casas com Peças de Madeira; ASSISTA!

A Universidade do Maine concretizou um projeto inovador, revolucionando a construção de casas com o uso de impressoras 3D e resíduos de madeira.

Por Comando da Notícia

10/06/2024 às 17:06:16 - Atualizado h√°
Foto: Um só Planeta

A Universidade do Maine concretizou um projeto inovador, revolucionando a construção de casas com o uso de impressoras 3D e resíduos de madeira. Este método visa atender à demanda projetada de 80.000 novas residências na região até 2030.

O Centro de Estruturas e Compósitos Avançados (ASCC) da Universidade do Maine deu um passo significativo para solucionar a crise habitacional. Habib Dagher, diretor executivo do centro, revelou que estão utilizando a maior impressora 3D de polímeros do mundo para criar habitações com resíduos de madeira e materiais de bio-resina, em vez de concreto. O objetivo é suprir a necessidade de cerca de 80.000 novas casas em Maine até 2030.

O método do ASCC é único, pois imprime módulos pré-fabricados que são montados no local, diferentemente dos métodos tradicionais, realizados diretamente no local de construção. A nova impressora pode produzir objetos de até 29 metros de comprimento, 9,75 metros de largura e 5,5 metros de altura, com uma capacidade de impressão de até 227 quilos por hora. Dagher explicou que, atingindo uma velocidade de impressão de 453 quilos por hora, seria possível construir uma casa em apenas 48 horas, tornando o processo competitivo em termos de custo com a construção tradicional.

O protótipo dessa tecnologia, criado em 2022, foi chamado de BioHome3D. Trata-se de uma unidade habitacional unifamiliar de 56 metros quadrados, destacando-se como a primeira casa 3D totalmente biobaseada, construída inteiramente com fibra de madeira local e materiais de bio-resina. Diferentemente das impressões em concreto, a BioHome3D inclui o piso, o teto e as paredes no processo de impressão. "Quando imprimem com concreto, só imprimem as paredes", disse Dagher, contrastando com a abordagem integral de sua equipe.

Outro aspecto inovador do BioHome3D é sua sustentabilidade. Quando a habitação não é mais necessária, pode ser triturada e reutilizada para imprimir novos materiais. Isso é possível usando resíduos de madeira de serrarias em Maine, reduzindo o desperdício e criando um produto de construção renovável. Milhares de pessoas visitaram o protótipo no campus de Orono, Maine, e frequentemente perguntam: "Quando posso ter uma?", conta Dagher.

No entanto, ainda há desafios. A tecnologia para imprimir materiais de madeira em alta velocidade está em desenvolvimento, e às vezes as impressoras enfrentam obstruções devido ao acúmulo de poeira, como ocorreu durante a construção do BioHome3D. Dagher destacou: "Ninguém fez isso antes com esses tipos de materiais".

O ASCC tem planos ambiciosos para sua impressora. Atualmente, estão trabalhando na incorporação de dutos para cabeamento e encanamento dentro do processo de impressão, de acordo com as especificações dos arquitetos. Além disso, estão se associando a uma ONG local para projetar um bairro com nove casas para pessoas em situação de rua, com construção prevista para começar em 2025.

Internacionalmente, a tecnologia de impressão 3D não é nova. Em Austin, Texas, está sendo construído o maior bairro impresso em 3D do mundo, enquanto em Dubai, a meta é que 25% dos novos edifícios sejam construídos com essa tecnologia até 2030. Embora a maioria utilize concreto como material, o ASCC de Maine pretende revolucionar o mercado com uma alternativa baseada em resíduos de madeira.

A tecnologia revolucionária do ASCC pode ser especialmente útil em locais com climas extremos. Imprimir casas pré-fabricadas em condições controladas permite a montagem em qualquer época do ano. "Quando o clima é inclemente por duas semanas consecutivas, não se pode imprimir," explicou Dagher, destacando a vantagem dos módulos pré-fabricados que podem ser montados independentemente das condições climáticas.

O potencial da impressão 3D na construção é promissor, embora Dagher ressalte que levará tempo para que os códigos de construção se adaptem a essa nova tecnologia. A impressão 3D não substituirá totalmente a construção tradicional, mas é provável que no futuro ocupe uma porção significativa do mercado habitacional.

Com essas inovações, Maine pode não apenas resolver sua crise de habitação a longo prazo, mas também se posicionar como líder em construção sustentável a nível mundial.

Fonte: GAZETA BRASIL
Comunicar erro

Coment√°rios Comunicar erro

Comando Geral BG

© 2024 Comando Geral BG - Todos os direitos reservados.

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Comando Geral BG
Acompanhantes de Goi?nia