Pol√≠tica Sa√ļde

Mudanças climáticas ameaçam saúde mental, afirma pesquisa da UCL

Mudanças climáticas e seus efeitos nos padrões climáticos e eventos climáticos adversos estão propensos a afetar negativamente a saúde de pessoas com condições cerebrais, argumenta uma equipe de pesquisadores liderada pela UCL.

Por Comando da Notícia

15/05/2024 às 20:20:25 - Atualizado h√°
Foto: Gazeta Brasil

Mudanças climáticas e seus efeitos nos padrões climáticos e eventos climáticos adversos estão propensos a afetar negativamente a saúde de pessoas com condições cerebrais, argumenta uma equipe de pesquisadores liderada pela UCL.

Em um artigo de Opinião Pessoal, publicado no The Lancet Neurology, a equipe enfatiza a urgente necessidade de compreender o impacto das mudanças climáticas em pessoas com condições neurológicas, a fim de preservar sua saúde e prevenir o agravamento das desigualdades.

Após revisar 332 artigos publicados em todo o mundo entre 1968 e 2023, os pesquisadores, liderados pelo Professor Sanjay Sisodiya (Instituto de Neurologia da UCL Queen Square), afirmaram esperar que a escala dos potenciais efeitos das mudanças climáticas em doenças neurológicas seja substancial.

Eles consideraram 19 diferentes condições do sistema nervoso, escolhidas com base no estudo Global Burden of Disease 2016, incluindo AVC, enxaqueca, Alzheimer, meningite, epilepsia e esclerose múltipla.

A equipe também analisou o impacto das mudanças climáticas em vários distúrbios psiquiátricos graves, incluindo ansiedade, depressão e esquizofrenia.

O Professor Sisodiya, que também é Diretor de Genômica na Epilepsy Society e membro fundador do Epilepsy Climate Change, disse: “Há evidências claras de um impacto do clima em algumas condições cerebrais, especialmente AVC e infecções do sistema nervoso. A variação climática que mostrou ter um efeito sobre doenças cerebrais inclui extremos de temperatura (tanto baixos quanto altos) e maior variação de temperatura ao longo do dia, especialmente quando essas medidas são sazonalmente incomuns.

“As temperaturas noturnas podem ser particularmente importantes, pois temperaturas mais altas durante a noite podem perturbar o sono. O sono ruim é conhecido por agravar várias condições cerebrais.”

Os pesquisadores descobriram que houve um aumento nas internações, incapacidade ou mortalidade como resultado de um AVC em temperaturas ambientes mais altas ou ondas de calor.

Enquanto isso, a equipe afirma que pessoas com demência são suscetíveis a danos causados por extremos de temperatura (por exemplo, doenças relacionadas ao calor ou hipotermia) e eventos climáticos (por exemplo, inundações ou incêndios florestais), pois o comprometimento cognitivo pode limitar sua capacidade de adaptar o comportamento às mudanças ambientais.

Os pesquisadores escrevem: “A redução da percepção de risco é combinada com uma capacidade diminuída de buscar ajuda ou mitigar danos potenciais, como beber mais em clima quente ou ajustar a roupa. Essa suscetibilidade é agravada pela fragilidade, multimorbidade e medicamentos psicotrópicos. Assim, maior variação de temperatura, dias mais quentes e ondas de calor levam a um aumento nas internações e mortalidade associadas à demência.”

Além disso, a incidência, internações hospitalares e risco de mortalidade para muitos distúrbios de saúde mental estão associados ao aumento da temperatura ambiente, flutuações diárias de temperatura ou temperaturas extremamente quentes e frias.

Os pesquisadores observam que, à medida que os eventos climáticos adversos aumentam em severidade e as temperaturas globais aumentam, as populações estão sendo expostas a fatores ambientais piores que podem não ter sido graves o suficiente para afetar condições cerebrais em alguns dos estudos anteriores revisados como parte da análise.

Como resultado, eles dizem que é importante garantir que a pesquisa esteja atualizada e considere não apenas o estado atual das mudanças climáticas, mas também o futuro.

O Professor Sisodiya disse: “Este trabalho está acontecendo em meio a uma preocupante piora das condições climáticas e precisará permanecer ágil e dinâmico se quiser gerar informações que sejam úteis tanto para indivíduos quanto para organizações. Além disso, há poucos estudos estimando as consequências para a saúde de doenças cerebrais em cenários climáticos futuros, o que torna o planejamento futuro desafiador.”

Ele acrescentou: “Todo o conceito de ansiedade climática é uma influência adicional e potencialmente significativa: muitas condições cerebrais estão associadas a um maior risco de distúrbios psiquiátricos, incluindo ansiedade, e tais multimorbidades podem complicar ainda mais os impactos das mudanças climáticas e as adaptações necessárias para preservar a saúde. Mas existem ações que podemos e devemos tomar agora.”

Fonte: GAZETA BRASIL
Comunicar erro

Coment√°rios Comunicar erro

Comando Geral BG

© 2024 Comando Geral BG - Todos os direitos reservados.

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Comando Geral BG
Acompanhantes de Goi?nia