Política

Investigação de suposta fraude no leilão de arroz leva governo a considerar revisão de leilão de arroz importado e exoneração de servidores envolvidos

O governo está considerando revisar o leilão de arroz importado e promover a exoneração de servidores públicos envolvidos na organização do pregão eletrônico, conforme informações divulgadas pela CNN.

Por Comando da Notícia

11/06/2024 às 08:15:22 - Atualizado h√°
Foto: edup.ecowas.int

O governo está considerando revisar o leilão de arroz importado e promover a exoneração de servidores públicos envolvidos na organização do pregão eletrônico, conforme informações divulgadas pela CNN.

A situação, que deveria ser uma solução para um possível desabastecimento de arroz no país após enchentes no Rio Grande do Sul, tornou-se um constrangimento para o governo.

Os agricultores do Rio Grande do Sul afirmaram que não havia risco de desabastecimento, portanto, o leilão para importação de arroz não seria necessário.

Além disso, a medida aumentou a tensão entre o agronegócio brasileiro e o governo federal em um momento em que o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, estava tentando estreitar essa relação.

Há também suspeitas de fraude no leilão, o que levou a oposição a solicitar uma investigação ao Tribunal de Contas da União (TCU).

Há duas linhas principais de investigação. A primeira foca na maior arrematante individual do certame, a Wisley A. de Souza, cuja sede é uma pequena loja de queijos em Macapá e que teve seu capital social aumentado de R$ 80 mil para R$ 5 milhões uma semana antes do leilão. Empresários ligados à empresa deram informações contraditórias sobre sua constituição societária.

A segunda linha de investigação envolve Robson França, ex-assessor do secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, que atuou como corretor em parte da venda. Fontes do setor indicaram que a comissão de França no negócio pode superar R$ 5 milhões. França é sócio de um filho de Geller em uma empresa no Mato Grosso e trabalhou no gabinete de Geller junto com Thiago dos Santos, diretor de Operações e Abastecimento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Na noite de segunda-feira (10), fontes do governo e do Congresso indicaram que Neri Geller e Thiago dos Santos estavam em risco de perder seus cargos.

Fonte: GAZETA BRASIL
Comunicar erro

Coment√°rios Comunicar erro

Comando Geral BG

© 2024 Comando Geral BG - Todos os direitos reservados.

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Comando Geral BG
Acompanhantes de Goi?nia